Etapas do desenvolvimento de software: entenda os bastidores da sua produção

8 minutos para ler

Com a computação cada vez mais relevante, no mundo impactado pela transformação digital, o desenvolvimento de software ganhou muita relevância. Hoje, a capacidade de abordar problemas, entendê-los e estruturar etapas para construir soluções tecnológicas é um processo do qual muitas empresas dependem para se manter competitivas.

Sendo assim, é comum que gestores queiram aprofundar sua visão sobre as diferentes fases da produção de um software e adentrar os bastidores desse tipo de serviço. Algumas empresas preferem resolver suas demandas de software internamente, contratando um time de desenvolvedores, mas é comum que se deparem com alguns desafios no caminho, como custos fixos elevados, a dificuldade em avaliar a expertise dos funcionários e o cumprimento de prazos. Essas são algumas barreiras comuns que fazem com que as tarefas se tornem muito desgastantes para as companhias. 

Por isso, neste artigo, vamos falar sobre o processo de criação de sistemas, as fases principais e a importância de contar com a assistência de profissionais especializados no assunto. Acompanhe!

Como funciona o processo de desenvolvimento de software?

O desenvolvimento de um software começa com um problema a ser resolvido. Geralmente, é algum cenário do mundo real que envolve uma dificuldade processual e que pode se beneficiar de uma intervenção tecnológica. Um exemplo disso são operações manuais e burocráticas que requerem análise de planilhas e registros volumosos, causando erros e perda de tempo.

Diante da situação, é possível, então, iniciar a fase de avaliação de uma solução. A mentalidade aqui é “dividir para conquistar”, ou seja, quebrar problemas maiores em pequenos obstáculos a serem superados ao longo do projeto. Assim, é possível trabalhar com pequenas entregas que, juntas, irão compor a solução. Essa é a base para a divisão de tarefas para os responsáveis, contando com a expertise de pessoas com habilidades distintas. Geralmente, um time é composto por gerentes de projeto, analistas de negócio, desenvolvedores, designers e outros profissionais, de acordo com a necessidade. 

O desenvolvimento de um software pode ser um processo longo e envolver muitas pessoas, gerando uma necessidade de documentação e mensuração de resultados. Para esse fim, cada estágio é registrado de forma a fortalecer a transparência e monitorado com indicadores relevantes para atestar a qualidade e a consistência. É muito importante que os resultados alcancem as expectativas para justificar o investimento, e isso é algo que somente um profissional experiente pode garantir.

Com a avaliação inicial, já é possível chegar a um primeiro documento importante, o backlog. O backlog é, basicamente, uma lista das funcionalidades que serão desenvolvidas e suas informações gerais. Ele será atualizado no decorrer da jornada.

Quais são as etapas do processo?

Neste tópico, vamos detalhar o processo de produção de software. Entenderemos como funcionam as principais etapas, que são: identificação de necessidades, levantamento de requisitos, definição da arquitetura, implementação, testes e validação.

Vale destacar que algumas dessas fases podem variar de acordo com a necessidade, e não necessariamente devem ser sequenciais, podendo ser realizadas em paralelo, dependendo do projeto. 

Identificação de necessidades

Como mencionamos, tudo começa com uma entrevista com o cliente e a identificação das principais necessidades. Nesse estágio, é necessário entender quais são as dores que as pessoas ou empresas enfrentam e qual será a principal motivação para a criação daquele produto. Assim, é possível compreender qual o objetivo daquela aplicação e o que ela intenciona solucionar.

Mesmo sendo uma fase de preparação e planejamento, ela é essencial para evitar problemas futuros e garantir um excelente resultado. Como destaca Aline Lima, Product Owner da Vibe Tecnologia, essa é a etapa mais importante do processo, pois garante a qualidade do produto e apoio para as equipes nas outras fases, com uma visão direcionada, permitindo ganho de tempo e diminuindo o retrabalho.

Levantamento de requisitos

Todo software é motivado por um objetivo principal. Esse objetivo é composto por um conjunto de funcionalidades, e existe uma série de pequenas funções que tornam uma aplicação coesa e funcional. No levantamento de requisitos, a equipe se volta para essas tarefas, dividindo a produção em serviços distintos e em focos específicos de atenção.

Uma interface para comunicação com o usuário e suas características são exemplos de requisitos. Em um sistema de análise de crédito, a possibilidade de ler dados de um determinado usuário, com campos específicos para CPF e RG, por exemplo, seria outro requisito. Em suma, são aspectos que especializam o âmbito geral e focam questões do design, da apresentação e das atribuições daquele software.

Definição da arquitetura

Se na identificação da necessidade, o time chega à resposta para a pergunta “o que fazer?”, na definição da arquitetura, ele responde “como fazer?”. Esse é o momento de obter orientação sobre quais ferramentas utilizar a fim de chegar à solução, e isso inclui linguagens de programação, frameworks, sistema de bancos de dados, padrão de interface do usuário e muito mais. Isso significa que é nessa etapa que serão definidas as estruturas e padrões sobre as quais os desenvolvedores irão escrever o código do sistema. A arquitetura é a principal base para a próxima fase. 

Implementação

A implementação é, finalmente, a fase de desenvolver um sistema com codificação concreta. Embora ainda exista quem insiste em começar por essa etapa, vimos nesse artigo que existe muito trabalho importante a ser feito antes da implementação, que é o estágio em que as equipes começam a escrever os códigos e a lógica do sistema, de acordo com as orientações das etapas anteriores.

Aqui, cada funcionalidade é programada e as relações entre as features são estabelecidas. No final dessa fase, a equipe já tem uma versão funcional do sistema e já pode partir para os testes. 

Testes 

Não existe desenvolvimento consistente sem a fase de testes. Nela, a equipe deve simular cenários de uso no dia a dia e buscar falhas na codificação e no projeto criado anteriormente. O foco é verificar se o software está consistente, atende aos requisitos e não apresenta nenhum defeito inesperado. 

Se um erro é encontrado, ele é registrado para que a equipe faça os devidos ajustes com uma nova iteração das etapas de implementação e teste. O objetivo desse estágio é garantir que o cliente vai receber exatamente aquilo que ele espera, o que foi conversado e acordado no início do processo, sem surpresas. 

Validação

Na validação, o cliente tem a chance de realizar os seus próprios testes com a versão funcional da aplicação. Então, ele pode dar feedbacks que vão ajudar a tornar o produto final ainda melhor.

Qual a importância de contar com uma empresa especializada?

Como vimos, o processo de desenvolvimento de um sistema engloba diversas fases, conhecimentos e responsabilidades. Por isso, é fundamental ficar atento a possíveis problemas que podem ocorrer se a equipe responsável não for especializada e experiente. Esses desafios apontam para a necessidade e a importância de uma solução específica: a contratação de uma empresa com a devida expertise para ajudar.

O problema mais comum é o prazo. Desenvolver sistemas internamente, sem a ajuda de uma parceira, pode ser dificultoso e arruinar o time to market. Afinal, uma equipe interna costuma ser mais enxuta e tem muitas outras responsabilidades, o que pode atrasar a produção. 

Em outros casos, não há profissionais suficientemente técnicos para certas demandas, criando a necessidade de aprendizado, o que também interfere no tempo. Se o core business da empresa não é TI, essa costuma ser uma questão ainda mais sensível. 

Metodologia ágil e eficiente

Contratar uma parceira é importante também porque eles geralmente empregam metodologias ágeis, eficientes e modernas para otimizar e acelerar o processo. Essas empresas especializadas estão sempre ajustando suas abordagens e evoluindo com o mercado, já que a produção de software é justamente a especialidade delas. 

Assim, os profissionais são mais preparados e experientes em identificar qual é a melhor tecnologia para atender cada problema específico, otimizando os resultados do seu investimento.

Contar com esse apoio externo à sua empresa também evita problemas de rotatividade interna e repasse de conhecimento, questões que podem ocorrer por conta de desligamento, férias ou por motivo de saúde. Esse fator também atrasa os projetos. Contudo, uma empresa especializada não depende de apenas um colaborador e já possui muito conhecimento internalizado na instituição, tendo sempre uma equipe de pessoas capacitadas que mantêm o projeto consistente.

A contratante não precisa, então, se preocupar com as equipes que estão trabalhando e com os funcionários envolvidos, apenas com a qualidade e com o gerenciamento do resultado. 

O desenvolvimento de software é uma necessidade muito importante atualmente, visto que a tecnologia é uma ferramenta incrível que nos ajuda a resolver problemas de diferentes naturezas. Entender como funciona realmente o processo de desenvolver um software e quais os aspectos merecem sua atenção é imprescindível na hora de definir o foco do seu negócio e a empresa parceira que guiará você nesse caminho.

Se quiser saber mais sobre como desenvolver softwares personalizados com o prazo e a qualidade que você espera, entre em contato conosco!

Posts relacionados

Deixe um comentário